A Academia de Letras e Artes Buziana - ALAB - nasceu de fato, como constamos na história reportada em sua primeira ata, há 37 anos, quando José Gonzaga de Souza ancorou seu barco pela primeira vez nas águas mais profundas junto à Ilha Rasa e, de bote, vieram todos os amigos que com ele estavam a bordo. Foram dois traslados até as águas calmas da Praia Rasa, que banha dia e noite o nosso maravilhoso Continente Buziano. Isto tudo aconteceu exatamente em 12 de janeiro de 1973. Chegaram para acampar nas terras firmes, junto à Praia da Gorda, na Colônia dos Pescadores do atual Bairro da Rasa em Armação dos Búzios, que naquela época era o abandonado Terceiro Distrito de Cabo Frio. Ali... Como mais saberão os que lerem a historia, foi que, à luz das estrelas e de lampiões, nasceu de “fato” a ALAB. E de direito, aos 27 dias de junho de 2007, quando foram legalmente eleitos todos os membros de uma Diretoria Constituinte, que só teria o seu mandato publico oficial, exercido e contado a partir de 27 de junho de 2008 até 27 de junho de 2011.
Sobre a ALAB
Mas tudo isto só aconteceu graças ao idealismo, esforço e tirocínio de seu Presidente Eleito, José Gonzaga de Souza, ao perceber, ligado que é às letras e às artes, que a Cidade de Armação dos Búzios já estava por merecer a Instituição já sonhada, e que certamente atenderia à urgente carência de um fórum onde intelectuais, artistas plásticos, músicos, escritores, poetas e outras excelências nos mais diversos campos da atividade humana nesta cidade querida (e amada por todos nós, mas que é inexplicavelmente desdenhada por uma minoria que nela vive, talvez por falta de uma opção viva). Entre outras carências, José Gonzaga sentiu que a Cidade de Búzios necessitava urgentemente de um Fórum povoado por pessoas comprometidas com sua nova ordem e realidade, e que pudessem, nesse Fórum, opinar com autoridade, debater, conduzir e apoiar projetos e ações proativas em favor da preservação da nossa Cultura.
A ALAB tem por finalidade mais importante a defesa irremovível do nosso Caldo Cultural - a verdadeira alma da nossa Cidade. E como Instituição aberta e moderna, também se propõe interagir ativamente com as mais diversas vertentes culturais que povoam a nossa Aldeia, sabidamente uma cidade cosmopolita e de grande visibilidade internacional. Essa interação será mantida também com as tendências culturais da Região dos Lagos, sempre com a meta última de defender os valores ético-culturais do povo Buziano e de respeitar as variadas características e as reais raízes culturais do nosso povo e dos povos de outras nacionalidades que adotaram nossa terra. Seus membros fundadores - os Acadêmicos da ALAB - têm por norte máximo a busca de meios e soluções que preservem, valorizem e projetem cada vez mais o Patrimônio Cultural e a Cultura de Búzios, a defesa intransigente das raízes culturais da Cidade e outras vertentes que quase diariamente se somam a elas, a divulgação mais ampla possível dos seus valores e fundamentos e o apoio decidido a ações e movimentos culturais positivos gerados no Município. E como corolário de tão singular concentração de excelências, a ALAB pretende ser sempre uma usina geradora de idéias e de projetos voltados para a valorização e realce das coisas da Cultura Buziana - idéias e projetos que, muita vez, serão viabilizados por iniciativa própria da ALAB.
A ALAB estará também sempre atenta a projetos, atitudes e ações que venham a travar e prejudicar, de qualquer forma, o Patrimônio Cultural de nossa Terra, questionando publicamente tais ações por todos os meios possíveis, e oferecendo soluções que auxiliem na correção dessas possíveis distorções. Finalmente, nossa Academia de Letras e Artes pretende também ser o veículo natural de encaminhamento das idéias emanadas de seus membros Acadêmicos - e o instrumento de acompanhamento e viabilização dessas idéias - junto às demais entidades artísticas e culturais e junto às autoridades responsáveis pela Educação e Cultura de nossa Cidade.

José Gonzaga de Sousa
Acadêmico Presidente